quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Interludícium Cotidiânio, n.1(Petit suíte retrospectiva pra cavaquinho, ocarina e charuto. Para Luciana)

DMQRZZWCVAAART%§§§!"?!?!4729373#/;!#;##dGSjsdigfkw%+=^§^&VILL-3#-LBOSXNBBVX........

Projeto de brioche humano às vinte e três menos
um quarto, guampeiramente cavalgando a
remington do bisavô,

isso aos quarenta do segundo tempo 
do vexame rubro-negro na tela plana da
sala, galvãobostado em rede nacional________

e o pirrulhete faz bem seis anos 
que foi expulso do Inchó da mãe 

diretamente na banheira do quarto de cima,
moduê que aos poucos se medra
sem carecer propaganda_________

nesse dia o bisavô - Transportado -
sentou punhécia na mesma Remington 

e saudorou o grande Auspício 
num soneto que - lérias de fora -
Bilac se 'vexaria Não.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Poemânho em forma de Choro(À memória de Heitor Villa-Lobos. Para Luciana Moraes)

...chiuuuummm...
manhércia. Desfulustrô, pai-d'-égua,
'inda que o mório se encoste à mesa pro desjejum
se achando jóquei de dragão em Nárnia.

Lá fora mundo AndemPrenha 
cragoatás que as clarinetas não têm mais
antídoto - Ferro nas almas, nas camarinhas,
dédalos sem erelês
nem compasso________

porque ele mundo já deu foi áurum, gado,
guarânias - e hoje é Nu inclusive
do grau de funcionário público:

o capital é verme que Rói não apenas 
os bolsos, parousía que anoitece a cavalo.
Cirandas despauterizam-se,
e logo ali 
já passaralham cem anos_________

considerando que o São Benedito
do velho santeiro Alfredo Duval
não dá mais conta de amadrinhar o país 

a gente não sabe mais onde começa a mãe 
e adonde acaba a seca de 77 no século Avô________

o resto do corpo inda Tarda
pro róseo bafo da manhã.



segunda-feira, 7 de agosto de 2017

"Cantos"(Em memória de CDA. Poema de Luciana Moraes)



1.
Enxárcia se tinge, se embre-
nha na ponta do cais.
O neurônio refletido age
sobre a raiz das Crescências.
Com Chave de minério, poente,
sem perder a paciência,
trava o ato de prendê-la.
Fosse o dia nascido num curral
:
2.
Sem paredes e referentes humanos
Sem os quadros históricos d’antes
A longínqua fechadura da voz
Não saberia dizer se a casa existiu.
O percalço da noite
vem somando timbres.
De raridade às ruas,
de ruas a densos nadas.
O rosto espelhado da gente
sofre sobre a superfície tonal.
:
3.
Guarda a mulher, a colheita do trigo
O trajeto do papiro, redes...
vozes entre cômodos___________
O vértice, lugar desabitado,
esquecido e enxugado entre dedos.
No solo rubro, vermes compõem
o futuro saboroso fruto
Os pés reintegram-se à cor
das mariposas, em silêncio, acontecidas.
:
4.
Tanto as uvas partidas
quanto o bolor dos fatos
)noite(
Se condenam a traduções estranhas
Mas tais frutos correm nas v(e)ias.
A cidade composta de fardos
Traz mudez aos olhos suspensos.

Nenhum comentário:





domingo, 6 de agosto de 2017

Preludiê 16(Para Luciana)

Esta noite é de ordálias com roupas
e quarenta anos no deserto.

Sons galopeiam, rinchando sinos 
que só nascem de cem em cem anos,

somando timbres ao rosto
que da parede Espia
paralém do tempo. Esta noite 
é de colher o trigo que os corvos malversejaram,
criaturas que levantei do Caos demiúrgico

enquanto ele franzino estafeta acenDêa
os serafins-Candelabros, de braços água,
terra, ar, fogo__________

não há mais jaulas no céu 
e a noite é de tacar o desfibrilador nas nuvens,
preparAndando o caminho 
pro grande coral dos anjos__________

Ah girácia que andolomeia
os bandolins, 'ssa Galera...

domingo, 23 de julho de 2017

Prelúdio Nhanderescido(A Luciana)

Meu amor por você, é caudaloso forjal d'águas claras
onde ela Iara penteia estrelas
que à beira do rio vieram levianinhas
atrás dum colo de mãe___________

te amo também com a força dos cavalos de Tróia e dentro eu bem poria
milhares de vaus-Corações
todinhos eles de boca aberta
como se fosses a chuva Atlântica
e que sem ela não adiantam visitas
no sofá da sala nem camisolões na hora de dormir,

pianorões migradores também danceiam que nem meninos de entrás
todas as pipas de Agosto_________

me achego de manso a ver dormir o teu corpo, e tu descansas o braço
como eles sóis se deitam
atrás das montanhas da Pátria...

e não me importo se para tão longo amor
seja tão curta
a Existência...

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Dezesseis de julho, 1950(À memória de Barbosa. Para Luciana Moraes)

Eis o cântico do homem:
desde a Antesala se observa a sustância
do tempo, e do demônio que a respira,
e desque descemos os costados das árvores 
trazemos uma morte de bolso,
palirindrômica, e cheia
de caretas pra lua___________

o fantasma de Moacir Barbosa
inda se coça com caco de telha
(aliás desde BEM antes do desencarne) -
Maracanã dezesseis de julho
saltando arrítmico naquele último escanteio,
erínias que gargaralham cheias de pés
e dentes de cinquenta andares___________

eeeis o cântico do homem -
à meia noite daquele dezesseis de julho 
as cinco virgens sem Lâmpada vogavam sem olhos
sangrando os dedos em todas as portas
dos subúrbios da Leopoldina,
e grajeús ai ai meudeeeels
nunca Mais, nunca MAIS grajeús
'rastando espárdias nos lajedos,
nuvens de igrejas mórtuas e cartas 
dum tarô verdamarelo queimado como??

mato de beira-pista no verão, que você nunca
nunca não sabe se foi muleque ou o sol
que ligou o 'terruptor do Fogaréu.

domingo, 16 de julho de 2017

Puríliom, pra sete pifes de taquara(Para Luciana Moraes)

Entonces:
não há nas bancas quase dezembro 
onde ele sol se penteie,
nas caravelas do homem faz Noite,
não há mais pernas em liquidação 
nem guarda-chuvas que Cheguem_________

a moda não se 'guenta nas cordas -
viola-Ninguém em procidões 'celências -
céu d'alumínio à beira de meu copo,
no jaburu há Múmia,
todas as hortênsias desvanecem_________

purílio de tempo-Foi e na parede o rosto da Frida
é dia que já vai embora__________

levanto os olhos aos montes,
daonde me virá Furdunço?

É neste quarto de tempo que meu São Mármaro
vem delas nuvens trazendo a Nova 
com anjos de calça larga:

o Cristo evém novamente, e - prequetéus!! -
muda os números do mundo.